sexta-feira, 28 de março de 2008

Problemas na coluna vertebral


A coluna vertebral é o eixo do corpo humano, sendo capaz de sustentar, amortecer e transmitir o peso corporal. Tem como principal característica a flexibilidade e suas funções são a proteção da medula espinhal, movimentação, manutenção da posição ereta e suporte do peso corporal. Ela é composta por 33 vértebras sendo 7 cervicais, 12 torácicos, 5 lombares, 5 sacrais e 4 coccígeos.


À medida que o recém-nascido adquire controle sobre seu corpo, a forma da coluna progressivamente se altera ocorrendo uma modificação na curvatura. A curvatura cervical desenvolve-se à medida que a criança tenta erguer a cabeça, por volta dos 3 meses e se consolida na época de sentar e engatinhar. Já a curvatura lombar desenvolve-se quando tracionada nos esforços de ficar de pé, porém torna-se firme e consolidada por volta dos 2 anos de idade.

Estas curvaturas são compensatórias da postura ereta assumida pelo homem, onde a



cervical suporta o peso da cabeça e alivia em parte, a ação dos músculos da nuca em manter a extensão da cabeça e do pescoço. A lombar compensa a desvantagem da curvatura torácica (de concavidade anterior) e sustenta o peso do corpo. A curva tende a ser suave e gradual e a estes níveis a coluna é relativamente forte, porém, as áreas de transição de uma curvatura para outra são mais agudas, estão sujeitas a maior força de tração, possuem maior mobilidade e são potencialmente mais vulneráveis.

“Se você deseja prevenir ou até mesmo tratar os problemas de coluna, siga alguns passos”

Devido as várias curvaturas relacionadas à coluna e fatores como a má postura, impacto, genética entre outros, relacionamos alguns problemas adquiridos ou deformidades congênitas da coluna vertebral. São elas:


Cifose: é também um desvio da coluna, mais facilmente percebido quando a pessoa está de lado, pois as costas ficam arqueadas, o tórax retraído e os ombros projetados para frente. Uma pessoa cifótica em linguagem popular é conhecida como corcunda. As cifoses lombares e cervicais geralmente são acompanhadas de escoliose e são conseqüentes ao crescimento desigual de vértebras.

Lordose: desvio da coluna característico na região da bacia, causando uma curvatura exagerada no local. Pode ser uma compensação de uma cifose ou à flacidez muscular com ou sem aumento de peso anterior à coluna, como na obesidade ou gravidez.

Escoliose: é a deformidade em que a coluna apresenta uma ou mais curvaturas laterais da coluna. Pode ser funcional (ou fisiológica) onde a coluna curva-se lateralmente devido à diferença de peso nas duas metades do corpo em conseqüência de poliomielite, diferença de comprimento dos membros inferiores, a fraturas mal reduzidas, próteses mal adaptadas e joelho valgo; e estrutural (ou patológica) onde geralmente aparece na infância e é progressiva sendo a causa o crescimento desigual das vértebras.

Hérnia de disco intervertebral: a parte mais central do disco que se localiza entre as vértebras, sai da estrutura da coluna causando dores muito fortes e até mesmo paralisação dos membros. Normalmente a hérnia de disco ocorre a partir da segunda década de vida, podendo ocorrer uma diminuição na capacidade do disco em absorver impactos e pressões, em razão de: desidratação progressiva, surgimento de fissuras, diminuição de sua altura, predisposição genética, alterações bioquímicas e ambientais.

Artrose: é a forma mais comum de reumatismo e uma das doenças mais freqüentes no ser humano, sendo um dos principais fatores incapacitantes do idoso. Popularmente conhecida como “bico-de-papagaio” é definida como um estado de progressiva deterioração da articulação vertebral. Com o tempo grande parte da cartilagem pode desaparecer completamente e na ausência parcial ou total desta cartilagem os ossos atritam diretamente entre si causando certo grau de inflamação, dor, limitação dos movimentos e crepitação. Com a evolução a articulação pode sofrer deformação visível ou palpável, que são os tão famosos bicos-de-papagaio.

Lombalgia: conhecida popularmente como dor nas costas, a lombalgia é o conjunto de manifestações dolorosas na região lombar (região mais inferior da coluna vertebral, pouco acima das nádegas, na altura da cintura) decorrente de alguma anormalidade nessa região. A persistência dos sintomas ocasionalmente passa a ser um fator extremamente limitante sob o ponto de vista social, profissional ou afetivo, podendo gerar distúrbios de ordem emocional.

Se você deseja prevenir ou até mesmo tratar os problemas de coluna, siga alguns passos:

a) Veja se você não está com alguns quilinhos a mais;
b) Ande a pé 1 hora por dia;
c) Alongue os músculos posteriores do pescoço e da região lombar;
d) Fortaleça os músculos posteriores da parte torácica das costas;
e) Fortaleça os músculos abdominais;
f) Amplie a elasticidade das articulações dos quadris (nada mais é do que trabalhar o alongamento, a elasticidade dos movimentos de abertura, como no balé, tanto na lateral como com uma perna na frente e outra atrás);
g) Alongue os músculos isquiotibiais (aqueles que são curtos atrás das pernas e coxas. Um alongamento para esse grupo de músculo é aquele quando tentamos colocar as mãos no chão com as pernas abertas e os joelhos estendidos)

Fontes pesquisadas:
Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral
Anatomia Funcional da Coluna Vertebral
Coluna Vertebral – Biomecânica da Universidade de São Paulo

Ginástica facial



Fazer caretas tem tudo a ver com a beleza do seu rosto, porque exercitar os músculos faciais é a forma mais natural e simples de manter e prolongar a juventude.

Dedicamos e nos preocupamos muito mais com a firmeza e beleza do nosso corpo e esquecemos que o rosto é o primeiro contato que temos com as outras pessoas e elas conosco, por isto dedique apenas 5 minutos diários e adie o uso dos procedimentos cirúrgicos como pequenas plásticas faciais e os procedimentos dermatológicos como a toxina botulínica que muitas vezes, devido ao exagero, deixam um visual artificial que fica literalmente na cara!

A ginástica facial surgiu a partir de terapias para resolver problemas de saúde como a paralisia facial, e além da



medicina, a estética saiu ganhando e cada vez mais vem se aperfeiçoando. Ela nada mais é que fazer exercícios para fortalecer os músculos do rosto, amenizar rugas e aumentar a irrigação sanguínea que irá hidratar e vitalizar sua pele através de exercícios como fazer biquinho, apertar os olhos, abrir a boca entre outros movimentos simples e eficazes que você faz em frente ao espelho.

“Os resultados podem ser observados a partir do primeiro mês desde que sejam feitos corretamente e também diariamente”

O exercício aumenta o metabolismo celular melhorando a circulação sanguínea, a oxigenação local e ativando a produção de colágeno. Fazer exercícios para o rosto aumenta a irrigação na face e ameniza as rugas e marcas de expressão, dando um aspecto mais sereno e tranqüilo, devolvendo a elasticidade perdida.


Esta ginástica pode ser feita por pessoas de qualquer idade, e é recomendado seu início por volta dos 25 anos de idade sendo esta uma medida preventiva. Os resultados podem ser observados a partir do primeiro mês desde que sejam feitos corretamente e também diariamente. Antes de iniciar dê atenção a alguns cuidados necessários:
- limpe e tonifique a pele;
- hidrate muito bem;
- faça os exercícios em frente ao espelho para que possa observar e corrigir os movimentos;
- faça os movimentos devagar;
- concentre-se.

Tomado os devidos cuidados vamos a nossa sessão de exercícios para um rosto mais jovem, sereno, sem rugas e fortalecido.

Para a região ao redor da boca:

1-Faça um bico e em seguida abra os lábios sem distanciar muito os dentes. Sinta a musculatura das maçãs esticando. Fique por 5 segundos e então puxe os lábios para dentro como se fosse engoli-los e em seguida faça o bico novamente. Repita 20 vezes;
2-Com as pontas dos dedos massageie a região em movimentos ascendentes, do sulco entre o nariz e a boca até as maças do rosto, sinta a musculatura sendo tocada.

Para o contorno do rosto:

1-Estique o pescoço e olhe para cima jogando 20 beijinhos para o alto. Procure sentir o músculo do pescoço bem esticado e se movimentando enquanto faz o exercício;
2-Pressione a língua contra o céu da boca mantendo-a perto das amídalas. Deslize o dedão por baixo do queixo, de trás para frente e de um lado para o outro. Repita 20 vezes;
3-Com as pontas dos dedos, massageie o pescoço começando de trás para frente para drenar líquidos acumulados na região. Fazendo ondulações suaves desça pelas laterais do pescoço até os ombros.

Para a região da testa:

1-Com os dedos indicador e médio das duas mãos faça movimentos ascendentes “alisando” a testa, desde a sobrancelha até a raiz do cabelo. Depois com o indicar e o polegar de uma das mãos, belisque as rugas de leve 20 vezes.

Para os olhos:

1-Arregale bem os olhos e sem relaxar a musculatura tente fechar os olhos sem encostar os cílios, como se quisesse ver mais longe. Repita 20 vezes;
2-Com os olhos arregalados, olhe para um lado e para o outro com movimentos rápidos. Faça 20 vezes. Com as mãos na testa para evitar enrugar, relaxe e faça mais duas séries de 20 movimentos;
3-Ainda com os olhos bem abertos olhe para cima tentando ver o teto sem mexer a cabeça. Fique na posição por 5 segundos e volte com os olhos para frente, faça 5 vezes.

quinta-feira, 27 de março de 2008

Vitamina C

Saiba em quais alimentos ela pode ser encontrada para prevenir algumas doenças

É só o frio se aproximar que milhares de brasileiros começam a sofrer com gripes e resfriados constantes, daqueles que parecem nunca ir embora. Só que, poucos sabem, que ao invés de entupir o organismo com remédios depois que ele já está debilitado, é necessário trabalhar na prevenção de algumas doenças com a alimentação adequada, que traga as vitaminas necessárias para cada caso específico.

Aí entra em cena a vitamina C, que ajuda o organismo a responder à infecção e ao estresse, além de auxiliar na utilização eficiente de ferro. De quebra, ela oferece proteção contra algumas doenças e contra os aspectos degenerativos do envelhecimento. A ausência desta vitamina tão importante para nosso organismo é sinalizada por alguns sinais, como alteração de humor, tristeza, irritabilidade, hiperatividade, diminuição de interesse, fraqueza muscular, fadiga e mialgia. De acordo com a nutricionista Gisele Dalpino, especialista em alimentação funcional, estes não são os únicos sintomas aparentes para quem tem deficiencia de vitamina C no organismo "cabelos secos e quebradiços,falta de apetite,sangramento da gengiva gengiva inflamada e dolorida,pele seca,acne,diminuição cicatrização,manchas roxas, dificuldade de visão noturna e dores nas articulações também podem ser encontrados em quem não supre essa carência", relata.



Estudos comprovam o papel da alimentação equilibrada na manutenção da saúde há muito tempo, mas foi só em 1991 que a categoria de alimentos foi regulamentada recebendo a denominação de "Foods for Specified Health Use" (FOSHU). A tradução da expressão para o português é Alimentos Funcionais ou Nutracêuticos.

Presente em frutas e hortaliças, a vitamina C é reponsável pela estimulação do sistema imunológico, promovendo uma maior resistência às infecções, aumento da absorção de ferro, auxilia no processo de cicatrização de feridas, sangramentos de gengivas e pequenos cortes, atua como antioxidante, neutralizando a ação dos radicais livres.

Veja os alimentos que contém essa vitamina

Morangos
Mamão
Kiwi
Laranja
Suco de laranja
Manga
Grapefruit
Suco de Grapefruit
Pimentão vermelho ou verde Cru Cozido
Brócolis
Couve
Couve-de-bruxelas
Ervilhas Frescas Congeladas
Batata
Goiaba
Caju
Manga
Maracujá
Hortaliças cruas em geral
Tomate

Fale de seus sentimentos

Se não quiser adoecer - "fale de seus sentimentos".
Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna.
Com o tempo, a repressão dos sentimentos, a mágoa, a tristeza, a decepção degenera até em câncer.
Então, vamos confidenciar, desabafar, partilhar nossa intimidade, nossos desejos, nossos pecados. O diálogo, a fala, a palavra é um poderoso remédio e poderosa terapia.
Se não quiser adoecer - "tome decisão".
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia.
A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões.
A história humana é feita de decisões. Para decidir, é preciso saber renunciar, saber perder vantagens e valores para ganhar outros.
As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.

Se não quiser adoecer - "busque soluções".
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo.
Melhor acender o fósforo que lamentar a escuridão. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.
Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe.
Se não quiser adoecer - "não viva sempre triste".
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem a vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive.
Se não quiser adoecer - "não viva de aparências".
Quem esconde a realidade, finge, faz pose, quer sempre dar a impressão de estar bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho etc. Está acumulando toneladas de peso... Uma estátua de bronze, mas com pés de barro.
Se não quiser adoecer - "aceite-se".
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima faz com que sejamos algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável.
(Texto de Dráuzio Varella)

Dietas Hipocalóricas ou de Emagrecimento


Para que o indivíduo perca peso, é necessário a ingestão de uma dieta hipocalórica ou seja, o valor calórico total das refeições do dia deve ser menor do que a necessidade do organismo


Recomenda-se que a quantidade de comida com alto teor calórico seja diminuída ou substituída por outros alimentos que contenham menos calorias. É importante salientar que a proporção de carboidratos, proteínas e lipídeos deve ser obedecida bem como,
as recomendações das vitaminas
e sais minerais.

Para que haja a redução de gordura corporal, caracterizando o emagrecimento, é necessário que haja um déficit de energia ou seja, a quantidade de energia ingerida deve ser menor do que a quantidade gasta. Assim, para a obtenção do "combustível" que faz a máquina humana funcionar, o



organismo irá adquirí-lo através da degradação da gordura. Entretanto, a dieta não poderá ser pobre em carboidratos (que é a primeira fonte de energia) pois, se isso ocorrer o corpo irá mobilizar a glicose muscular, fazendo com que ocorra diminuição da quantidade de músculo e não de gordura corporal sendo isso, o inverso do que se deseja.

Além disso, para ajudar a aumentar a necessidade de energia do organismo, objetivando o aumento do déficit calórico, recomenda-se a prática de exercícios como natação, caminhadas, vôlei ou seja, atividades em que o indivíduo se movimente bastante.

A quantidade de energia total da refeição de um dia não poderá ser menor do que 800 Kcal. Mas, sabendo-se que a necessidade de energia depende de fatores como idade, estatura, peso e atividade física é recomendado que seja feito o acompanhamento da dieta por um nutricionista.

A seguir, tem-se algumas orientação que podem ser seguidas e que contribuirão para a redução de peso. Mas não se esqueça: emagrecer e manter o peso exige educação alimentar, atividade física, persistência, controle e determinação para se alcançar o objetivo.

1. Estabeleça horários para as refeições que devem ser no mínimo cinco (café da manhã, lanche, almoço, lanche e jantar).

2. Diminua a quantidade de alimentos ingeridos mas, no início, não abra mão das suas preferências. Por exemplo, se você come 1 barra de 30 gramas chocolate todos os dias passe a comer metade dela. Lembre-se: o radicalismo só vai aumentar as chances de você não alcançar o seu objetivo!

3. Adote a prática de atividade física. Mas tenha em mente que você não quer ser um atleta de elite apenas se movimentar mais. Então, não precisa malhar 4 horas por dia nos sete dias da semana. Inicie fazendo uma caminha, 3 vezes por semana durante 40 minutos por sessão.

4. Passe a ingerir alimento light ou diet mas, leia os rótulos dos alimentos, principalmente dos diet pois eles podem conter maior quantidade de calorias do que os alimentos "normais". Um exemplo típico são os chocolates diets que possuem maior quantidade de gordura aumentando o seu valor calórico.

5. Substitua o leite e seus derivados integrais pelos desnatados; queijos "amarelos" (mussarela, prato, cheedar, gorgonzola) pelos "brancos" (ricota, cottage, de minas).

6. Utilize adoçantes artificiais.

7. Inicie as refeições sempre por uma farta salada.

8. Faça as carnes grelhadas ou assadas. Fuja dos molhos, frituras e ensopados.

9. Beba bastante água durante o dia. Nas refeições prefira suco de frutas a refrigerantes. Se isso não for possível, prefira os diets ou lights.

10. Você possui algo muito importante: o "livre arbítrio". Assim, quando te oferecerem a torta mais calórica e que certamente é a que você mais venera, você terá duas opções: aceitar ou não. Então, pense no que te dará mais satisfação DEPOIS de comer. O peso na consciência se disser "sim" ou as calorias a menos se você disser "não".

Memória fraca? Exercite-A.


Costuma-se dizer que os brasileiros possuem “memória curta”. Sabemos o que isso significa para a nossa sociedade e para a vida de cada cidadão. No entanto, continuamos a esquecer muito rápido alguns fatos que não poderiam ser esquecidos. Precisamos melhorar a nossa memória se quisermos melhorar significativamente como sociedade e como cidadãos.

O objetivo desse artigo é prestar alguns esclarecimentos sobre a importância da memória, e principalmente mostrar que a sua preservação depende de um estilo de vida saudável.

A memória é a base para adquirir conhecimento. Está relacionada com orientação no tempo e no espaço, bem como com habilidades intelectuais e mecânicas. É extremamente importante para a aprendizagem, sendo responsável pelo registro e recuperação de experiências do passado. A memória é um fenômeno biológico e psicológico, envolvendo vários sistemas



cerebrais que funcionam juntos. Portanto, a memória não está localizada em uma estrutura isolada do cérebro.

Toda vez que aprendemos alguma coisa, ou adquirimos alguma experiência, as células do cérebro sofrem uma alteração, a qual se refletirá em seu comportamento. O cérebro deve ser entendido como se fosse um músculo. Se não for usado, acaba atrofiando. Quem exercita o cérebro tem mais chance de manter a memória preservada.

“A memória é a base para adquirir conhecimento ”

Às vezes as pessoas se esquecem de alguma coisa. Pequenas perdas de memória são normais, desde que as informações esquecidas não interfiram no trabalho, nos estudos ou mesmo na vida familiar.


Pessoas com mais de 60 anos apresentam mais lapsos de memória. A freqüência de esquecimento pode indicar a necessidade de um check-up com um neurologista. Atualmente vários exames podem tornar o diagnóstico mais preciso.

Existem muitas coisas que podemos fazer para melhorar a memória:

1- Estimular a memória. Aprenda coisas novas: novas habilidades e novos conhecimentos, tais como pintura, música, dança, computação ou um novo idioma.

2- Ficar atento. Concentre-se no que você considera mais importante, procurando afastar, naquele momento, todos os demais pensamentos.

3- Aprender a relaxar. Estresse , ansiedade e agitação dificultam muito a capacidade de manter a atenção e prejudicam a memória.

4- Praticar exercícios mnemônicos. Procure associar fatos a imagens e tente guardá-los na memória. Exemplo: feche os olhos e imagine uma pizza. Sinta o aroma, a massa crocante e o sabor do recheio. Se a sua boca se encheu de água enquanto você visualizou a pizza, você fez um bom trabalho.

5-
Alimentar-se corretamente. A alimentação equilibrada é fundamental para a conservação da memória. Cereais, vegetais, frutas e massas possuem vitamina B12, ácido fólico e tiamina, que são importantes para a conservação da memória. A hidratação deve ser adequada, pois a falta de água tem um efeito prejudicial direto sobre a memória.

6- Praticar exercícios físicos. A atividade física regular traz benefícios para a memória. Uma simples caminhada diária contribui para a sua conservação.

7- Dormir bem. Uma noite de sono é fundamental para a memória. Quem sofre de insônia está sujeito a um processo de fadiga crônica, que prejudica a habilidade de concentrar-se e armazenar informações.

O uso de medicamentos para tratar a perda de memória é muito controvertido. Por isso, a melhor maneira de conservar a memória é exercitá-la todos os dias.

quarta-feira, 26 de março de 2008

DEFINIÇÃO MUSCULAR: COMO CONSEGUIR O TÃO SONHADO CORPO SARADO?



Mas o que é “definição muscular”? Nada mais é do que deixar o contorno dos diversos grupos musculares visíveis, deixando o corpo bem marcado, trincado, sarado.

Muitas pessoas acham que para definir a musculatura basta emagrecer ou morrer de treinar, o que não é bem assim. É necessário em primeiro lugar ganhar massa muscular para quando reduzir a taxa de gordura corporal, que é o objetivo da definição muscular, se tenha músculos para mostrar.

Os músculos aparecem definidos quando reduzimos o percentual de gordura corporal, isto tem que acontecer porque a musculatura fica abaixo da camada de gordura e assim eles conseguirão ficar visíveis.



Para se conseguir definição muscular de maneira saudável é necessário seguir algumas dicas muito importantes que são:

a) Uma dieta balanceada e saudável devendo alimentar-se várias vezes ao dia, nada de regimes malucos pois é necessário energia para os exercícios que serão realizados;

b) Evite calorias vazias como os açucarados, frituras e álcool, pois nenhum nutriente de qualidade eles fornecem para a construção de um corpo saudável, forte e definido;

c) Não elimine de vez os carboidratos pois são responsáveis por reações bioquímicas envolvidas no metabolismo das gorduras;

d) Faça a ingestão suficiente de proteínas que são as responsáveis por desenvolver e reconstruir os tecidos, principalmente o muscular;

e)
Reduza a ingestão de gorduras, pois nosso organismo trabalha mais intensamente queimando carboidratos do que gorduras;

“O exercício físico é maior e melhor estímulo para a “queima” de gordura pois aumenta a taxa metabólica em repouso”

f) Faça uma avaliação física, através dela é possível saber quanto exatamente de gordura é necessário eliminar. Em média para homens o percentual é de 15% a 7% e para mulheres de 18% a 10%, sendo este a taxa aceitável e recomendável quando estão envolvidos com treinamento desportivo;

g) O exercício físico é maior e melhor estímulo para a “queima” de gordura pois aumenta a taxa metabólica em repouso. Isto significa que quando você se exercita seu organismo queima calorias por algumas horas mesmo estando em repouso, tendo como substrato energético a gordura;

h) Por fim a intensidade dos exercícios físicos deve ser levada em consideração pois estudos mostram que quando se exercita aerobicamente deve-se manter os batimentos cardíacos entre 50% a 70% da sua freqüência cardíaca máxima onde o substrato energético é a gordura e se utilizar um percentual mais alto (acima de 75%), terá uma queima inferior de gordura.

Conheça agora algumas modalidades que são ótimas para ajudar você na sua definição muscular:

1) Spinning: aula realizada em cima de uma bicicleta especial nas academias. É como se estivesse participando de uma corrida ao ar livre. Deve ser praticada pelo menos duas vezes na semana onde a prática regular da modalidade oferece resultados após quatro semanas. Em média tem uma queima calórica entre 500 e 700 calorias por hora/aula, sendo basicamente um trabalho aeróbico que ajuda na eliminação de gorduras, fortalecimento dos membros inferiores principalmente e melhora da capacidade cardiorespiratória.

2) Corrida: pode ser praticada tanto ao ar livre como em lugares fechados utilizando assim uma esteira elétrica, é um dos carros chefes em se tratando de queima de calorias. Pode ser realizada em diferentes ritmos e terrenos. Os terrenos irregulares, subidas ou areia fofa exigem muito mais da pessoa que a pratica. Queima em média entre 700 a 800 calorias em uma hora da atividade.

3) Natação: atividade física que pode ser praticada em caráter competitivo ou não sendo um esporte completo pois trabalha o corpo todo. Há quatro estilos para se praticar: nado crawl, peito, costas e borboleta variando a queima calórica de acordo com estilo que se pratica devido ao esforço físico necessário em cada um deles. Em média uma aula com duração de uma hora tem um gasto calórico de 500 calorias.

4)Setep: aula onde se utiliza um banquinho com 15 cm de altura para alunos iniciantes. Associa movimentos de sobe e desce juntamente com movimentos de braços, num ritmo estimulado por músicas, sendo uma excelente atividade cardiovascular, fortalecendo os músculos das pernas e dos braços, desenvolve a noção espacial, a coordenação motora, o reflexo e principalmente emagrece. Pode gastar de 300 a 500 calorias dependendo da duração da aula.

5)Jump: aula divertida e relaxante que tem como um dos objetivos principais, além de queimar muitas calorias, a eliminação da celulite. Ela é praticada em cima de um mini trampolim elástico individual, onde não há impacto. Os saltos constantes fortalecem o tecido ósseo combatendo a osteoporose e também ocorre o fortalecimento dos músculos das pernas. Em uma aula com cerca de 45 minutos de duração há uma queima de aproximadamente 500 calorias.

Independentemente da modalidade que escolher, procure sempre academias com profissionais capacitados para que possa receber a orientação correta, somente assim poderá praticar seus exercícios físicos com qualidade e segurança.

quinta-feira, 20 de março de 2008

A Páscoa e o chocolate



A Páscoa é a época do ano em que o consumo de chocolate aumenta muito, por causa da antiga tradição que associa essa data aos coelhos e aos ovos de chocolate. Para evitar excessos, seguem algumas informações úteis para controlar a ingestão desse alimento altamente calórico.

O que significa o desejo por doces e, principalmente, por chocolate? O desejo surge porque esses alimentos estimulam a produção de serotonina, substância que provoca a sensação de prazer. No período da Páscoa, em virtude da tradição e da propaganda, o desejo se intensifica. É preciso ficar alerta para não cair na tentação e cometer exageros.

Não há evidências científicas de que o chocolate venha a causar dependência. Após o seu consumo, ou diante de uma privação, podem aparecer em algumas pessoas reações semelhantes às causadas por um vício qualquer. Alguns



estudos revelam que, principalmente entre as mulheres, o chocolate pode desencadear um comportamento compulsivo. Há controvérsia sobre esse assunto, pois no chocolate as substâncias que causam compulsão estão presentes em baixa concentração. Não é possível afirmar que o chocolate seja capaz de causar dependência, ou que produza alterações neuroquímicas e hormonais. Talvez corresponda apenas a um desejo de gratificação dos sentidos.

O chocólatra é o indivíduo que, quando começa a comer chocolate, não pára mais. Nesse caso, é preciso tomar cuidado. Primeiro, é preciso baixar a ansiedade e o excesso de preocupação. Geralmente, a pessoa começa a acreditar que não conseguirá controlar a situação. Sempre que alguém pensar ou sentir que não será capaz de realizar alguma coisa, a mente assumirá esse pensamento negativo como verdadeiro e aumentará a probabilidade de fracasso.

Na realidade, todos nós somos capazes de fazer o que queremos. É preciso acreditar nisso, sem nunca esquecer os objetivos. Quando a pessoa estiver tentada a comer mais do que deveria, deve perguntar-se: “Se eu comer mais conseguirei atingir meu objetivo?” Se a resposta for não, deve dizer a si mesma, em voz alta: ”Eu não vou me desviar do meu objetivo agora, ele é muito importante para mim.” Nunca cair na tentação de comer um pouco mais porque é Páscoa. Não se deixar influenciar pelo que os outros estão comendo, principalmente pelas crianças.

“Na realidade, todos nós somos capazes de fazer o que queremos. É preciso acreditar nisso, sem nunca esquecer os objetivos”

O chocolate existe em qualquer época do ano, sob muitas formas e embalagens. O chocolate dietético, desenvolvido para diabéticos ou pessoas com intolerância à glicose, contém a mesma quantidade de calorias e maior teor de gorduras saturadas. Só não contém açúcar.


Por isso, engana-se quem acredita que ele não engorda. Diante das tentações, muitos abandonam as regras de reeducação alimentar e põem a perder todo o esforço feito ao longo do ano.

Para vencer os perigos desse período, dois princípios são fundamentais: o da moderação e o da compensação. Considerando a dificuldade de evitar o consumo de doces, a solução é consumi-los de forma moderada. Ao sentir um desejo muito forte por chocolate, deve-se comer com moderação. Pegar um pedaço pequeno e comê-lo com calma, pois assim o cérebro registrará a ingestão e sinalizará a saciedade com uma pequena porção. O segundo princípio para lidar com as tentações é o da compensação. Ao comer um pedaço de chocolate, é preciso compensar o organismo com atividades físicas e fidelidade ao programa alimentar. Assim, as calorias em excesso serão eliminadas e será possível voltar ao ritmo normal em pouco tempo.

Todos nós merecemos um ovo de páscoa, mas por ser muito calórico pode fazer um grande estrago na luta para a perda de peso e a sua manutenção dentro dos limites desejados. Por isso, é preciso seguir algumas chocodicas:

1- Comprar sempre as menores porções.
2- Comer pequenos pedaços por dia.
3- Oferecer uma parte para familiares e amigos.
4- Doar os ovos que vier a ganhar. Muitas crianças não ganham.
5- Compensar o organismo, exercitando-se por mais algum tempo.
6- Comer devagar, por prazer, sem sentir culpa.

Devemos sempre buscar o equilíbrio entre nossas atitudes e os resultados que desejamos obter. Boa Páscoa para todos!

Antidepressivo emagrece?

Virou "moda" apelar para a fluoxetina, princípio ativo de um medicamento ansiolítico para perder peso. Saiba quando ele pode ser realmente indicado e quais os riscos que oferece


O Brasil é líder no consumo das chamadas anfetaminas, substâncias liberadas entre nós, presente nos remédios moderadores de apetite. O problema é que, segundo denúncias de especialistas da área, não são respeitados os limites de segurança no uso para casos de emagrecimento. Para tentar inibir a administração inadequada e sem acompanhamento de um profissional de saúde, tem-se estudado medidas de controle para a venda.

Pior a emenda do que o soneto.
Com o aumento do cerco à classe das anfetaminas, surgiu uma nova “mania” entre aqueles que querem perder peso rapidamente: a ingestão de antidepressivos. O princípio ativo do momento atende pelo nome de fluoxetina. Novamente vem à tona a preocupação entre os médicos quanto ao uso exagerado e incorreto desse remédio, destinado, a princípio, a pacientes com quadros de depressão.

Dois recentes levantamentos em farmácias de manipulação confirmam o avanço da fluoxetina. Um deles, o da Vigilância Sanitária de Ribeirão Preto, SP, apontou que a substância, associada a laxantes e diuréticos, foi a mais vendida em uma farmácia de manipulação da cidade: 143 receitas em apenas um mês.

A Vigilância Sanitária de Santa Catarina, por sua vez, verificou as receitas retidas de três estabelecimentos do gênero, entre agosto a dezembro de 2006. Resultado: o princípio ativo estava presente em 22% dos pedidos. Só perdeu para a anfepramona, o derivado mais usado da anfetamina.


E mais: 50% das receitas foram dadas por clínicos gerais, dermatologistas, oftalmologistas, homeopatas; 47% foram assinadas por profissionais cujas especialidades não são nem reconhecidas, como ortomoleculares.

Ativa o centro da saciedade

Os endocrinologistas responderam por 2,6% das prescrições. Essa proliferação inadequada fez as sociedades de obesidade da América Latina lançarem um documento no qual fica indicado o uso da fluoxetina apenas para obesos com depressão.

“A administração da fluoxetina, inicialmente, foi estudada em um grupo de pacientes com depressão. O problema é que se observou o seguinte: essas pessoas emagreceram mais do que aquelas de um outro grupo, ao qual não havia sido prescrita a substância”, explica Cláudia Cozer, doutora em endocrinologia pela Universidade de São Paulo (USP) e diretora da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

Como funciona

Chamados de Inibidores Específicos da Recaptação da Serotonina (ISRS), esses medicamentos não interferem ou interferem pouco nos demais neurotransmissores.

O efeito antidepressivo dos ISRS parece ser conseqüência do bloqueio seletivo da recaptação da serotonina.

A fluoxetina foi o primeiro representante dessa classe de remédios e possui um metabólito ativo, a norfluoxetina. Esse metabólito é o ISRS que é eliminado mais lentamente do organismo. As doses dos ISRS devem ser individualizadas para cada paciente.


A fluoxetina é um medicamento que só pode ser comprado com receita branca.
Ou seja, sua venda é controlada. O pedido é feito em duas vias e uma fica retida na farmácia.

Mais de 30 dias
Até pode ser indicada para indivíduos que buscam redução de peso, mas com critério. Isso é, se beneficiariam do tratamento pacientes ansiosos e com perfil de compulsão — ou seja, os “beliscadores”. Aqui cabe um alerta: é preciso ter cuidado para o tiro não sair pela culatra.

“Nem sempre o antidepressivo reduz a fome e faz emagrecer. Alguns, inclusive, abrem o apetite. O endocrinologista deve conhecer bem o histórico do paciente antes de prescrever a droga”, aconselha a médica Cláudia Cozer.

Alguns efeitos colaterais que o uso da fluoxetina pode causar são: 1. insônia (em outros casos, ao contrário, provocar sonolência); 2. diminuição da libido (ou seja, do desejo sexual); 3. e, desânimo. A endocrinologista da Abeso diz que não há risco de vício químico. “O que pode acontecer é a pessoa ficar dependente do bem-estar que a droga traz.”

Vale lembrar: a fluoxetina tem efeito cumulativo. Ou seja, sua ação só começa 10 dias após iniciado o tratamento e os primeiros resultados aparecem depois de 30 dias. Portanto, tomar apenas por um mês não é eficaz. Sempre com receita médica, o processo para tratamento de depressão e/ou emagrecimento leva de três a seis meses.

quarta-feira, 19 de março de 2008

Dores no joelho podem ser Condromalácia Patelar



Muitas pessoas costumam reclamar de dores nos joelhos independentemente se estão ou não praticando esportes. Dúvidas sobre as causas das dores, sobre os exercícios indicados para o problema, sobre o rangido que se ouve ou sente no joelho são comuns.

A causa de tantos desconfortos pode ser inúmera, mas uma causa comum é a condromalácia patelar conhecida mais popularmente como “joelho de corredor”. Devido a tantas perguntas sobre o assunto resolvemos colocar aqui uma explicação rápida, com orientações de como proceder com relação ao problema.

A condromálacia patelar é uma doença que se caracteriza basicamente pela fraqueza ou sensação de fricção durante a flexão ou extensão dos joelhos e também pela presença de dor, sintomas esses que podem ser ou não intensos conforme o estágio



em que se encontra a doença.

O que ocorre é uma inflamação seguida de amolecimento da cartilagem articular, e que se não tratada logo poderá evoluir e tornar-se grave com incapacidade do joelho. Ela pode ocorrer devido a trauma direto (pancadas) com conseqüente dano condral ou resultado de qualquer condição que interfira com os movimentos patelofemurais normais tais como variações anatômicas anormais.

"A pessoa que for diagnosticada com condromalacia patelar não deve desistir de sua atividade física, pois quando bem empregado o exercício físico pode ser muito importante para contribuir com a melhoria da função muscular”

Tais variações podem ocorrer por desequilíbrio bioquímico do líquido sinovial (líquido que fica dentro da articulação), contato excessivo da patela com o fêmur (osso da coxa), sendo sua maior incidência em mulheres (joelhos desalinhados devido a quadris largos) e jovens adultos.


O encurtamento do quadríceps (músculo da coxa) tanto o posterior quanto na lateral e na panturrilha, um quadril rodado, pé chato ou desalinhamentos patelares (alto, baixo ou rodado), pioram o quadro da condromalácia. Esta lesão é mais comum em mulheres devido ao ângulo do quadril e ocorre prioritariamente devido a aulas de balé, corridas, ciclismo, voleibol, etc.

A dor é descrita como profunda e localizada e pode ser sentida ao subir e descer escadas, atividades prolongadas como o uso de saltos, após ficar um tempo excessivo com os joelhos flexionados como o ato de manter as pernas cruzadas, e ainda nos movimentos de flexão ou extensão dos joelhos há um barulho como um rangido audível ou sentido com a mão por cima da patela.

O tratamento é simples, o repouso deve ser estimulado, evitando os movimentos que provocam dor como pular, correr e exercícios que provocam a flexão dos joelhos (ciclismo, subir escadas).

O alongamento e fortalecimento dos músculos da região da coxa devem ser realizados de maneira isométrica, pois forçam a patela (osso do joelho) de maneira suave e gradativa e o fortalecimento também dos isquiotibiais, flexores do quadril e abdutores são necessários, estes músculos ficam na coxa e são responsáveis pelo movimento de extensão da perna, do chute, abertura da perna e flexão do quadril.

A crioterapia (tratamento feito com compressas geladas - gelo) também é bastante indicada por ser um tratamento bastante utilizado por médicos e especialistas do esporte com resultados bastante significativos nas reabilitações de lesões, inclusive utilizada na prevenção de lesões.

Os principais efeitos fisiológicos deste tratamento são: redução da dor, diminuição do espasmo muscular estimulando o relaxamento, redução da inflamação, do metabolismo local, da circulação com posterior estimulação, diminuição do edema e do ciclo dor-espasmo-dor.

O tratamento deve ser feito por 30 minutos sendo que, em muitas lesões, 20 minutos são suficientes. O ideal é que nas primeiras 24 horas sejam aplicadas compressas de gelo por meia hora a cada duas horas.

O ideal é que seja feita uma avaliação física precisa baseada em uma anamnese completa para que o profissional possa identificar o grau desta doença para então seguir com os tratamentos. Entretanto a pessoa que for diagnosticada com condromalacia patelar não deve desistir de sua atividade física, pois quando bem empregado o exercício físico pode ser muito importante para contribuir com a melhoria da função muscular.

Fonte consultada:
GEASE – Grupo de Estudos Avançados em Saúde e Exercícios
Faculdade de Educação Física da UNICAMP


Boletim Brasileiro de Educação Física

Revista de Educação Física

terça-feira, 18 de março de 2008

Qual a real necessidade de uma suplementação?



SUPLEMENTO FUNÇÃO*
Creatina monohidratada É um aminoácido que ocorre naturalmente no músculo. Sua função é a produção de ATP (matéria-prima para a produção de energia muscular), o qual é utilizado nos primeiros segundos de um exercício de alta intensidade.
BCAA Complexo de três aminoácidos (leucina, isoleucina e valina) que não são naturalmente produzidos pelo organismo. São elementos utilizados para a construção de proteínas, evitando a perda de massa muscular e de força durante treinamentos rigorosos. Deve ser administrado antes e logo após os treinos.
L-Carnitina Sabe-se que atua no metabolismo de lipídios, porém ainda não foi totalmente estudado. Evidências apontam uma relação com a queima de gordura durante os exercícios físicos, mas não há nada conclusivo.
GABA Estimula a produção e liberação do hormônio do crescimento (GH). Segundo estudos, doses elevadas deste hormônio promovem o crescimento muscular e utilização da gordura corporal.
Antioxidantes Previnem danos celulares provocados pelos radicais livres. Dentre eles, estão as vitaminas A, C e E, bem como minerais (zinco, selênio, etc) e extratos naturais de plantas, chá verde, entre outros.

Qual a real necessidade de uma suplementação?




Na última década, houve um grande aumento da procura de academias em busca de curvas perfeitas, músculos definidos e exterminação total das incômodas gordurinhas localizadas. Baseado nesta obsessão, além das intermináveis horas gastas na prática de exercícios físicos, está havendo uma maior preocupação com a alimentação e um aumento do uso de suplementos nutricionais.

A maioria das pessoas tem utilizado a suplementação como uma forma de melhorar o desempenho nas atividades físicas e mentais, retardar o envelhecimento ou até mesmo na prevenção de doenças. No entanto, está havendo um consumo desenfreado destes produtos, já que, por vezes, não há um acompanhamento médico, e são, em sua grande maioria, indicados por amigos.

Mas qual será a real necessidade de uma suplementação?

Todas as pessoas têm necessidades nutricionais, ou seja, devem ingerir diariamente uma certa quantidade de nutrientes para que seu organismo funcione adequadamente. Estas quantidades variam de indivíduo para indivíduo. Entretanto, a partir de muitos estudos em populações saudáveis, foi elaborada pelo 'Food and Nutrition Board (FNB)' uma tabela de recomendações nutricionais, chamada de RDA, a qual estabelece valores capazes de cobrir as necessidades da maior parte da população. Estes valores são, então, utilizados como base para a adequação de nutrientes na dieta, sendo que isto pode ser obtido somente a partir de uma alimentação saudável e variada. Ou seja, um indivíduo normal que se alimenta corretamente, sem restrições alimentares, é capaz de obter todos os nutrientes necessários para um bom funcionamento do organismo.

Entretanto, também se sabe que existem algumas doenças ou alterações no metabolismo que podem alterar a absorção de alguns nutrientes, como a anemia e a osteoporose, exigindo assim a suplementação. Porém, deve-se lembrar que esta ingestão aumentada é considerada como um tratamento medicamentoso, mediante recomendação e acompanhamento médico ou nutricionista, já que o uso indiscriminado destes suplementos pode levar ao aparecimento de efeitos colaterais.

Daí vem uma dúvida...e no caso de praticantes de academia ou esportista? Os esportistas que mantêm uma alimentação adequada, também não precisam se preocupar. As deficiências dietéticas de vitaminas e minerais são comuns naqueles que limitam a ingestão de alimentos, visando a manutenção do peso corporal sem um acompanhamento profissional. Neste caso, a suplementação se faz necessária para que se atinja um melhor desempenho na atividade física, assim como um bom funcionamento do organismo. Para tanto, são feitos vários exames clínicos e laboratoriais que determinam as reais deficiências do indivíduo.

E o que seria uma alimentação saudável e balanceada? Alimentar-se corretamente é basicamente:

-Consumir alimentos variados, incluindo frutas, verduras e legumes das mais diversas cores e variedades;

-Diminuir a ingestão de gorduras e frituras, em geral;

-Preferir as carnes magras, como peixes, frango, chester, peito de peru;

-Tomar cuidado com a 'gordura oculta', ou seja, que comemos sem perceber. Dentre elas, podemos citar: os embutidos, como salame e presunto; algumas carnes, como, por exemplo, o 'cupim'; creme de leite, leite integral,entre outros;

-
Dar preferência aos produtos 'light'; à margarina ao invés da manteiga; aos queijos brancos ao invés dos amarelos; ao leite desnatado ao invés do integral;

-Harmonizar nutrientes como carboidratos, proteínas e lipídeos, respeitando suas proporções ideais (porcentagem dos nutrientes em relação ao valor calórico total: 60% de carboidratos, 20 a 30% de lipídios e 10 a 15% de proteínas)

-Aumentar o consumo de fibras, aliado a um alto consumo de água;

-Diminuir o consumo de doces gordurosos, a base de cremes, ovos, chantilly;

-Fracionar ao máximo as refeições diárias.

Aprenda como ganhar músculos

O principal objetivo dos praticantes de academia e mais desejado entre os homens é aumentar o volume da massa muscular.

Embora muitas atividades físicas colaborem para o aumento muscular, o treinamento resistido - exercícios com peso onde há uma resistência, como na musculação - é o estímulo mais eficiente para essa finalidade.

Com o aumento da massa muscular, você pode aprimorar o seu desempenho esportivo, aumentar a proteção dos ossos e articulações, melhorar a estética corporal e favorecer o conforto na vida diária e no trabalho físico. Mesmo as mulheres que não querem ficar musculosas precisam aumentar o volume dos músculos para modelar o corpo.



O aumento de massa muscular e a diminuição da gordura corporal variam de pessoa para pessoa, pois cada organismo responde de uma forma à atividade física e aos planos alimentares. Alguns conseguem resultados mais rápidos, outros demoram mais, levando em conta a série, freqüência e intensidade da atividade física; alimentação, genética, problemas hormonais, entre outros fatores. Mas se você persistir na prática regular de exercícios e de uma alimentação balanceada, mais cedo ou mais tarde os resultados aparecem.

Para que haja aumento da massa muscular, o processo mais significativo é a hipertrofia (crescimento da célula). É através dela que o músculo aumenta de tamanho, após o treino de musculação. Nestes treinos, há uma sobrecarga tensional nos músculos. Esta tensão faz com que eles se contraiam em função da resistência oferecida. Durante o exercício, os filamentos de proteínas são destruídos. Isso mesmo, mas no período de descanso eles são refeitos numa proporção maior do que a destruição dos mesmos, ocorrendo o aumento do volume muscular.

A síntese de proteínas, após o exercício, é estimulada pelos hormônios anabólicos do nosso organismo que são:

- G.H. (hormônio do crescimento) formado por aminoácidos e estimulado pelos exercícios intensos, pelo sono e pela hipoglicemia.

- Testosterona (hormônio sexual masculino) sintetizada a partir do colesterol.

- Insulina (hormônio que atua na absorção de glicose pelas células) formada por aminoácidos e estimulados pela ingestão de carboidratos.

Mas, infelizmente, muitas pessoas - orientadas por profissionais não gabaritados e aptos a prescrever hormônios - tomam anabolizantes ou suplementos, causando sérios e irreversíveis danos ao corpo, adquirindo problemas renais e outros.

Saiba que o treinamento adequado aliado à alimentação equilibrada prescrita por um nutricionista darão excelente resultado. Se ele não for o esperado, dificilmente poderá ser melhor com suplementos e anabolizantes.

Na realidade, as drogas não fazem campeões. Muitas pessoas aumentam a massa muscular sem o uso de drogas e algumas tem tanta dificuldade que tem resultados muito pequenos mesmo utilizando essas substâncias, além de poderem vir a ter problemas de saúde. Essa dificuldade tem como principal fator o genético que não é possível de ser modificado.

Os principais pontos que você deve ter atenção para ganhar massa muscular são:

- Treinos de musculação, bem orientados de acordo com a sua necessidade

- Obedeça o tempo de descanso

- Duração de no máximo 1 hora de exercícios

- Os pesos devem ser difíceis

- O sono noturno deve ser suficiente para recuperar as energias

- A alimentação deve ser balanceada de acordo com a orientação do nutricionista

- Não esqueça dos alongamentos antes e depois dos treinos

- Leve a sério a musculação, pois ela sem dúvida pode trazer muitos benefícios e, se você desejar realmente aumentar a massa muscular, tenha disciplina e siga as dicas acima, respeitando os seus limites.

Vigorexia: a doença da vaidade

As pressões da sociedade moderna são responsáveis pelo surgimento
de distúrbios da imagem corporal. Uma doença cuja freqüência tem aumentado nos últimos anos é a vigorexia, que tem como principal sintoma a valorização excessiva da silhueta perfeita


A pessoa que possui este distúrbio busca tornar o corpo magro e musculoso a qualquer custo, mesmo que isto lhe traga prejuízos futuros. Apesar da vigorexia ser mais comum entre homens, ela também pode ser vista em mulheres.

As academias de ginástica costumam ser os lugares preferidos dos vigoréxicos. Lá, eles realizam exercícios físicos por horas a fio, pesam-se várias vezes ao dia e comparam sua musculatura com a de seus colegas. O uso de esteróides e anabolizantes pode ser um recurso freqüente, por facilitar a obtenção de resultados imediatos.



Além disto, há uma preocupação excessiva com a alimentação: as gorduras são evitadas e as proteínas são consumidas de forma exagerada.

“Mais importante do que exibir um corpo musculoso e perfeito é ostentar uma imagem saudável, que não seja construída em detrimento do próprio bem-estar”

Entre as características psicológicas dos vigoréxicos, encontram-se o sentimento de inferioridade, retração social e timidez que fazem com que a pessoa busque se afirmar através de um corpo perfeito. Apesar de serem musculosos os vigoréxicos sentem-se internamente enfraquecidos e distantes de si e de seus ideais.

A vigorexia causa um desgaste orgânico e mental e pode trazer conseqüências semelhantes às do estresse, tais como: insônia, desinteresse sexual, falta de apetite, irritabilidade, fraqueza, cansaço, entre outros. Além disto, são também freqüentes os problemas físicos e estéticos, como desproporção dos membros, problemas ósseos e articulares e falta de agilidade.

A situação torna-se mais grave com o uso de anabolizantes, pois estes aumentam os riscos de doenças cardiovasculares e das disfunções sexuais além de diminuírem o tamanho dos testículos e criarem maior propensão ao câncer de próstata.

É desejável que as pessoas tenham preocupação com o próprio físico, desde que esta não se torne uma obsessão e venha a prejudicar outros setores da vida. Reconhecer as pressões estéticas impostas pela sociedade e saber lidar com elas de maneira saudável é a chave para evitar doenças como a vigorexia e outros distúrbios da imagem corporal. Mais importante do que exibir um corpo musculoso e perfeito é ostentar uma imagem saudável, que não seja construída em detrimento do próprio bem-estar.

segunda-feira, 17 de março de 2008

Quando a ansiedade atrapalha




Umas das queixas mais freqüentes em relação ao programa de reeducação alimentar é a ansiedade. Segundo critérios da Associação Americana de Psiquiatria, a ansiedade se caracteriza por uma preocupação excessiva com situações do dia-a-dia, ocorrendo por um período de pelo menos seis meses, causando muitos transtornos. E quem não sofre de ansiedade?

Se você sente que tem dificuldade em controlar a preocupação, mas é difícil evitar que as preocupações interfiram na atenção no que precisa ser realizado e tem dificuldade em parar de se preocupar, é bem provável que esteja ansioso. Por exemplo, você quer emagrecer, mas fica tão preocupado com o resultado, que não consegue manter o programa e nem emagrecer. Com isso, se culpa e desiste, por isso dizem que a ansiedade atrapalha, na verdade, o que compromete o resultado é estar no futuro e não no presente.

A ansiedade ainda é acompanhada de muitos sintomas: cansaço fácil, suor excessivo, inquietação, dificuldade de concentração, sensação de estar "ligado" ou "no limite", irritabilidade, tensão, perturbação do sono, além de tremores, dores musculares (devido à tensão excessiva), boca seca, aperto na garganta. Quer mais? Pressão no peito, respiração ofegante, como se faltasse o ar. Certamente há muita ansiedade à nossa volta e, principalmente em nosso íntimo.

A ansiedade está relacionada com o daqui a pouco, pode ser com algo daqui a 5 minutos, como daqui a seis meses, sempre preocupado com o vir a ser e não com o agora. É antecipar o futuro, estar ansioso para que algo aconteça sem saber se vai acontecer, sempre esperando. É o desejo do resultado imediato ou, ao menos, a sensação de controle sob esse resultado, mas não sabe se vai conseguir. Não há segurança, não há controle. É uma espera constante, não se sabe até quando. A ansiedade nos coloca em estado de tensão intensa e, muitas vezes, em estresse. É uma prisão; quer agir, quer a ação, mas se sente preso, pois não há como agir. É uma verdadeira loucura! Uma briga interna, criando um nó, um bolo no estômago.

O ansioso na verdade sente muito medo e fica imaginando como tudo poderá acontecer. Apesar do medo ser uma resposta universal e normal ao perigo físico, sendo útil para concentrar a mente e nos preparar para lutar ou fugir, ou quando o fim de um prazo se aproxima, ou ainda, quando é algo que queremos muito, surge a ansiedade e pode se tornar um problema quando persiste.

Às vezes há uma causa concreta e facilmente identificada, mas em outras ocasiões, sequer sabemos o motivo de não pararmos de nos preocupar, pois a ansiedade nem sempre é causada por uma ameaça externa, podendo ser desencadeada pelo próprio medo. A maioria das pessoas sequer sabe o motivo de sua ansiedade, podendo ser identificada com o diálogo interno, ou seja, conversando muito consigo mesma e fazendo uma análise do que a preocupa.

Por exemplo, você quer eliminar alguns quilinhos e fica pensando quando conseguirá, ou ainda, duvida que irá conseguir. Procura antecipar o resultado, desejando que ele aconteça imediatamente, porque no fundo, sente medo de não conseguir o resultado que deseja. Apega-se apenas ao negativo, bloqueando sua capacidade de agir. Assim, sua atenção é desviada para o futuro e deixa de fazer o que é preciso fazer no presente. Conclusão: não consegue emagrecer, sente-se frustrada, insegura, com a auto-estima baixa, porque se sente incapaz. É uma verdadeira bola de neve. Mas com certeza você tem condições de enfrentar o que sente e agir de forma a conseguir o que quer.

Dicas para enfrentar a ansiedade:


Se estiver sentindo alguma emoção, como ansiedade, preocupação, tensão, não negue, nem faça que não está sentindo nada. O mais indicado é aceitar o que está sentindo, assim ficará mais fácil identificar e controlar suas emoções.

Se quiser, escreva sobre o que estiver sentindo. Descreva suas sensações com detalhes sem fugir ou negar.

Depois de identificar o que está sentindo, procure a origem. Quando começou? O que provocou? O que você está sentindo é proporcional ao fato ou não?

Perceba se sua ansiedade está sendo pela sua preocupação por algo que se sente incapaz de conseguir.

Identifique se depende apenas de você modificar a situação, se depende de outra pessoa, ou se realmente não há como mudar algo no momento. Isso é importante para que você não desperdice sua energia, nem seu tempo.

Procure ocupar-se e manter seus pensamentos no momento presente, não se "pré-ocupando" com o que poderá ou não acontecer. Isso é gasto de energia desnecessária. Você só irá emagrecer se mudar hábitos e não se "pré-ocupando" com os resultados.

Pare com a necessidade de querer ter controle sobre tudo, você pode não ter controle sob o amanhã, mas você poderá ter controle sob seus comportamentos hoje.

Lembre-se sempre da sábia Oração da Serenidade adotada pelos Alcoólicos Anônimos no mundo inteiro:
"Que Deus me dê serenidade para aceitar as coisas que
não posso mudar, coragem para mudar as que posso
e sabedoria para distinguir umas das outras"

Permaneça no presente, permitindo-se sentir cada momento como se fosse único.

Cuide da sua auto-estima, acreditando que é capaz de conseguir. Eu acredito que você seja. E você, acredita?...

VOCÊ ENGOLE SEU MEDO?


O medo é um sentimento muito difícil de ser suportado e fazemos de tudo para não sentí-lo, ou se não conseguimos, o negamos; uns o fazem bebendo, outros comendo, outros, ainda utilizam drogas, sexo, tudo em excesso.

Para quem deseja eliminar alguns quilinhos é comum surgirem muitos medos. Por exemplo, você vai começar ou já começou um programa de reeducação alimentar. Você se sente ansiosa, ou seja, há o medo de não conseguir, de não dar certo. Mas, em geral, isso não é identificado. Só percebe que não consegue fazer e começa a se culpar e se sentir incapaz.

Nesse momento é preciso parar tudo e identificar porque não está conseguindo manter ou dar continuidade ao programa, pois acontece com o medo o mesmo que com outros sentimentos: quanto mais o negamos, mais poderoso ele se torna.



“Mude seu padrão de pensamento, acredite que agora será diferente porque você fará diferente.”
Se sente medo e não o identifica, poderá comer mais ainda, gerando culpa e assim o sentimento de incapacidade, formando uma verdadeira bola de neve: sente medo, não identifica, come, sente-se incapaz e culpa-se por todo esse processo. A culpa gera auto-punição e o processo começa de novo.

Caso esteja sentindo medo de algo, converse consigo mesma para identificar seus sentimentos. Explore melhor de onde vem esse medo.

Os medos mais comuns que podem levá-la a comer em excesso são:

- medo de fracassar,
- medo de não corresponder às expectativas dos outros,
- medo de não ser levada a sério,
- medo da perda,
- medo de ser magra.

O medo de não conseguir é muito comum, principalmente para quem já fez de tudo para eliminar alguns quilinhos e não conseguiu. Ou conseguiu só por determinado tempo, podendo assim interferir no momento presente pela experiência negativa passada. Caso esse seja um dos fatores de seu medo, lembre-se que cada momento da vida é único e, se não deu certo das outras vezes, isso não quer dizer que não dará certo agora. Mude seu padrão de pensamento, acredite que agora será diferente porque você fará diferente.

Se há também o medo de não corresponder às expectativas dos outros, pense até quando irá deixar de ser quem realmente você é para se transformar naquilo que gostariam que você fosse.
“A verdade não é o medo de não ser levada a sério, mas sim o fato de você mesma não se levar a sério.”

A vida é sua e depende apenas de você diminuir sua necessidade da dependência da opinião que os outros têm a seu respeito, afinal, você deseja eliminar peso por você ou por alguém?

O medo de não ser levada a sério está relacionado com os dois primeiros. Já fez tantos programas e regimes que, como não deram um resultado satisfatório, sente que ninguém mais acredita em você. Mudar esse padrão interno é possível e só depende de você! Mas essa responsabilidade toda pode assustar e te fazer desistir, pois lá no fundo continua pensando: “mas e se não der certo mesmo?” Enquanto duvidar de você mesma dificilmente conseguirá mudar algo em sua vida. A verdade não é o medo de não ser levada a sério, mas sim o fato de você mesma não se levar a sério. Já pensou nisso?

Medo da perda.
É preciso tomar muito cuidado quando diz que pretende “perder” peso. Ninguém quer perder nada. E para quem teve algumas perdas significativas em seu histórico de vida, essa palavra poderá ter uma conotação muito negativa não a permitindo perder mais nada. Com certeza não irá perder nada, mas poderá sim se libertar daquilo que a aprisiona. Evite usar essa expressão quando se referir a eliminar seus quilinhos em excesso.

Medo de ser magra
Por mais que você queira emagrecer sempre há o medo de como será quando perder 9 quilos. Pode haver o medo de ficar tão diferente que não se reconhecerá mais. Algumas pessoas, ainda que inconscientemente, se identificam tanto com seu excesso de peso, que sentem muita dificuldade em eliminá-lo, como se fossem desaparecer também. Não é possível continuar se identificando com sua gordura, ainda que ela possa representar uma proteção.

“Todos esses medos estão relacionados com a baixa auto-estima. Para elevar sua auto-estima comece a acreditar mais em você mesma.”
Você não é seu peso excessivo, apenas o criou para expressar algo, mas ele não é você. Liberar o peso excedente significa mudar sua aparência, mas não significa perder sua identidade. Um exercício que poderá fazer é anotar tudo o que você pensa quando ouve a palavra magra. Escreva o maior número de associações que lhe vierem à mente. Você poderá ficar surpresa com suas respostas.

Veja se há respostas negativas e que podem estar relacionadas com sua dificuldade em eliminar peso comprometendo o resultado de seu programa.

Na verdade, todos esses medos estão relacionados com um só fator: baixa auto-estima, não acreditar ser capaz de conseguir o que quer que seja, duvidando de tudo e colocando tudo a perder. Para elevar sua auto-estima comece a acreditar mais em você mesma, treine dizer “não” quando sentir vontade, respeite seus sentimentos, sendo coerente entre o que sente, pensa e age.

Ninguém vive sem medos. É algo positivo enquanto sua função é a de proteger e alertar dos perigos. Mas o medo não pode ser engolido junto com a comida, como se não existisse. Dificilmente conseguirá controlá-lo. Você pode deixar de ter medo de eliminar os quilinhos que deseja quando acreditar que é capaz de ser como deseja ser, aceitando a nova imagem de si mesma, com peso adequado, confiança em si mesma, tendo a certeza de que não irá mais se permitir depender da aprovação, reconhecimento e opinião dos outros. Só a você mesma é quem deverá agradar!

Conheça mais sobre o cafezinho


Puro, com creme, com leite, em preparações, como bolos, pudins, sorvetes, balas... Desde do século XVIII o café começou a fazer parte da vida de milhões de pessoas


Esta bebida é obtida a partir do grão do café torrado ou moído, preparado por infusão de água quente, que só de pensar no cheirinho, muitos já perdem a cabeça.

Além do café torrado e moído, você pode encontrar o café em pó aromatizado, em pó descafeinado, indicado para pessoas que precisam evitar a cafeína e instantâneo (solúvel).

O café é composto basicamente de cafeína, flavonóides, ácidos clorogênicos e ácidos nicotínicos.



A cafeína é uma substância estimulante que age no sistema nervoso central e tem uma absorção muito rápida. Sua concentração atinge o nível mais alto entre 15 e 45 minutos depois do seu consumo.

Muitos dizem que o café proporciona vários benefícios para saúde, como acelerar o metabolismo, melhorar o humor e a função intestinal, a disposição, evitando a depressão, o intestino funciona melhor...

“Consumindo na quantidade adequada, o café pode ajudar você a controlar aquele sono incontrolável após o almoço, ou mesmo para iniciar o dia com mais disposição”

Foi apresentada na Unifesp, uma pesquisa onde verificou-se que o café preparado em coador de pano ou filtro de papel, impede a passagem das gorduras dos grãos, responsáveis pelo aumento da fração ruim do colesterol (LDL).

Mas é importante estar atento aos malefícios que o consumo excessivo do café pode causar como, irritabilidade, insônia, ansiedade, nervosismo, tremores e demais sintomas desagradáveis.

A cafeína consumida em excesso e uma má ingestão de alimentos ricos em cálcio, pode causar a deficiência deste importante mineral, que é responsável pela formação e desenvolvimento de ossos e dentes, além de exercer funções na coagulação do sangue e na transmissão de impulsos nervosos.

As gestantes também não devem consumir o café em excesso visto que o uso abusivo poderá prejudicar na formação do feto.

Alguns estudos relataram que o uso abusivo de café pode provocar doenças coronarianas. Porém ainda não há uma comprovação sobre o assunto. O ideal é ter moderação. Consumir o café na quantidade adequada não faz mal para ninguém. Procure não ultrapassar 3 xícaras de chá por dia. E muito cuidado com o açúcar.

O café possui pouquíssimas calorias, por isso, ele não é um vilão para quem deseja emagrecer. Porém se este café for adoçado com açúcar, as calorias vão aumentar, por isso opte pelo adoçante ou coloque pouca quantidade de açúcar.

Por ser um estimulante, o café acaba por viciar as pessoas, muitos não conseguem realizar suas atividades se não tomar um cafezinho antes, por isso é importante que a pessoa reduza a quantidade a ser consumida aos poucos.

Consumindo na quantidade adequada, esta bebida pode ajudar você em algumas situações, como controlar aquele sono incontrolável após o almoço, ou mesmo para iniciar o dia com mais disposição.

sexta-feira, 14 de março de 2008

Ansiedade e os transtornos alimentares


A ansiedade é uma das maiores dificuldades e o maior obstáculo
para quem está querendo
emagrecer

Pode estar diretamente relacionada com os Transtornos Alimentares. Fisiologicamente,
o estresse passou a ser o representante emocional da ansiedade e psicologicamente
a ansiedade pode mobilizar as atividades psíquicas e comprometer, desde a atenção
e memória, até a interpretação
da realidade.

Os quadros ansiosos mais
patológicos podem ser
classificados em vários
transtornos e um deles é o
Transtorno Obsessivo-Compulsivo, que é um transtorno que visa
um alívio da ansiedade e/ou
da angústia.




É preciso entender o que é obsessão e compulsão para uma maior compreensão do processo pelo qual você pode estar passando
nesse momento. Obsessões são pensamentos ou idéias, impulsos, cenas, fantasias, que invadem a consciência de maneira repetitiva
e persistente.

“É preciso entender o que é obsessão e compulsão para uma maior compreensão do processo pelo qual você pode estar passando nesse momento.”

As compulsões são comportamentos repetitivos, onde a pessoa é levada a executar algo como resposta a regras que devem ser seguidas rigidamente, como por exemplo, lavar as mãos,
fazer verificações etc. Tenta resistir, ignorar os pensamentos obsessivos e
os comportamentos compulsivos e não consegue.


Como os comportamentos compulsivos tendem a ser repetitivos e contínuos, muitas vezes eles acontecem automaticamente, por isso que observar e ter consciência desses comportamentos pode ajudar a controlá-los. Esses comportamentos têm o objetivo de prevenir, reduzir ou aliviar o desconforto gerado pela idéia obsessiva, alguma situação temida ou, ainda, aliviar a ansiedade gerada por alguma situação.

São hábitos aprendidos por alguma gratificação emocional imediata que proporcionam. Mas, essa pseudo-gratificação emocional, seja pelo prazer ou alívio do desprazer, reforçará com que se repita sempre, mas com o tempo, depois desse alívio imediato, segue-se
a culpa por não ter conseguido controlar-se. Mesmo assim, a gratificação inicial permanece forte, levando a repetição.

Por exemplo, a pessoa está ansiosa e come para aliviar sua ansiedade. Imediatamente há a gratificação com o alívio da ansiedade, que é relacionado com o ato de comer, mas passado algum tempo, sente culpa pela falta de controle por ter comido exageradamente. Isso a fará com que coma de novo, pois
registrou em sua mente que a comida tem a capacidade de aliviar
o que sente. É um círculo vicioso que pode ser rompido através da conscientização, tanto dos seus sentimentos, como dos comportamentos compulsivos.

Pessoas com comportamentos compulsivos sentem angústia ou ansiedade na ausência ou na impossibilidade em realizar a atividade compulsiva, fazendo com que se torne dependente dessas atitudes, podendo reservar um tempo significativo para tais realizações e comprometendo muitas vezes o trabalho, a vida familiar, afetiva
etc.

Entre os Transtornos Obsessivos-Compulsivos temos o jogar compulsivo, a atividade física compulsiva (vigorexia), comprar compulsivo (shopholic), trabalhar compulsivo (workaholic), e o
comer compulsivo (binge-eating).

Comer é um comportamento universalmente tido como prazeroso, mas também pode se tornar fonte de frustrações, arrependimentos
e preocupações para muitas pessoas que buscam estar magras
como requisito para o êxito e aceitação social. Acima de tudo, pode comprometer a saúde física e mental, podendo desenvolver alguns dos Transtornos Alimentares, que são desvios do comportamento alimentar que podem levar ao emagrecimento extremo, como no caso da Anorexia Nervosa, ou à obesidade.

Tanto a Anorexia Nervosa como a Bulimia apresentam alguns sintomas em comum: preocupação excessiva com o peso, uma representação alterada da forma corporal e um medo patológico
de engordar. Em ambos os casos há um julgamento indevido sobre
si mesma, baseada na forma física, freqüentemente percebida de forma distorcida.

Abaixo seguem os Transtornos Alimentares relacionados à ansiedade:
- Anorexia Nervosa
- Bulimia Nervosa
- Síndrome de Gourmet
- Transtorno Alimentar Noturno
- Comedores Compulsivos

A Anorexia Nervosa é um transtorno emocional que consiste numa perda de peso e um intenso temor da obesidade. Acomete mais mulheres jovens entre 14 e 18 anos. Os sintomas mais freqüentes são:
- medo intenso de elevar o peso, mantendo-o abaixo do normal;
- pouca ingestão de alimentos ou dietas severas;
- imagem corporal distorcida;
- sensação de estar gorda quando se está magra;
- diminuição do peso, freqüentemente em um período breve de tempo;
- sentimento de culpa por ter comido;
- hiperatividade ou exercício excessivo;
- perda da menstruação;
- excessiva sensibilidade ao frio;
- mudanças no caráter (irritabilidade, tristeza, insônia, etc).

A Bulimia Nervosa é um transtorno emocional que se caracteriza por episódios repetidos de ingestão excessiva de alimentos num curto espaço de tempo, seguidos por uma preocupação exagerada sobre o controle do peso, levando a pessoa a adotar condutas inadequadas e perigosas para sua saúde, tais como vômito compulsivo, uso de laxantes, diuréticos e a prática excessiva de exercícios.

Os sintomas mais freqüentes são:
- comer compulsivamente e escondido;
- preocupação constante com a comida e o peso;
- condutas inadequadas para compensar a ingestão excessiva, como o uso de fármacos, laxantes, diuréticos e vômitos autoprovocados;
- manutenção do peso pode ser normal ou elevado;
- mudanças no estado emocional, como depressão, tristeza, culpa e ódio por si mesma.

Continuarei no próximo artigo.

Como enfrentar a timidez


A timidez manifesta-se em situações sociais, na forma de tensão e inibição. Interfere e dificulta a realização de objetivos pessoais e profissionais. É comum perceber que o tímido torna-se refém do seu medo e não aprende com as experiências, pois não se permite arriscar.

A timidez manifesta-se em vários graus. Pode variar desde o ficar sem jeito em uma situação social específica (chegar numa festa sozinho), evoluindo para uma timidez crônica (que aparece em quase todas as áreas da vida), até chegar à fobia social, que é a mais grave de todas e impede a pessoa de fazer as coisas simples do dia-a-dia.

Nas situações sociais, o tímido fica tenso. Pode passar para outras pessoas uma imagem de poucos amigos, de arrogante e de difícil acesso. Essa imagem não corresponde à verdade, é apenas a máscara atrás da qual o tímido procura se esconder.



O tímido geralmente tem medo do contato com as pessoas, medo de não ser aceito, medo de ser rejeitado, medo de errar. Pode possuir muitos pensamentos negativos e de inferioridade sobre si próprio. Com isso, sua auto-estima fica excessivamente baixa
e podem surgir problemas emocionais, como depressão , angústia, ansiedade e sentimentos de inadequação.

“O excesso de alimentação pode ser uma tentativa de resolver as dificuldades que causam a timidez ou que surgem em conseqüência dela”

As dificuldades emocionais são em grande parte responsáveis pela aquisição e manutenção da obesidade. O corpo, revelado através de sua forma, fala mais do que imaginamos. A postura, a dimensão e as marcas reproduzem a história das conquistas e dos fracassos de toda uma vida.


A timidez pode funcionar como uma proteção para afastar afetivamente as pessoas ou evitar grandes envolvimentos. Assim, fica prejudicada uma parte importante da vida, com a perda de prazer no convívio social.

O alimento surge como um meio equivocado para suprir a satisfação não conquistada em outras esferas. O excesso de alimentação pode ser uma tentativa de resolver as dificuldades que causam a timidez ou que surgem em conseqüência dela. Contudo, ao comer em excesso, o problema não desaparece e se forma um círculo vicioso, pois esse consumo provoca obesidade, que reforça ainda mais a timidez.

Muitas vezes é necessário procurar um psicólogo, que com psicoterapia poderá ajudar o tímido a entender e superar suas dificuldades pessoais. É importante reconhecer a necessidade de satisfação que toda pessoa pode obter nos seus relacionamentos, sejam eles pessoais ou profissionais. A timidez dificulta a conquista dessa satisfação e por isto vale à pena trata-la.

Alguns aspectos inconscientes da alimentação


Há pessoas que querem emagrecer, pois sabem da importância de eliminar alguns quilinhos para a manutenção de sua saúde física


Outras desejam muito mais por pressões de familiares, médicos, ou mesmo querendo emagrecer para si mesmas, sentem muita dificuldade em manter um processo de reeducação alimentar e não entendem porque isso acontece. Alguns consideram a dificuldade em emagrecer como preguiça, falta de vontade.
Mas, há alguns aspectos significativos, profundos e,
muitas vezes, inconscientes
que devem ser considerados.




“Você também sabota a si mesmo?”

Existem contradições entre forças conscientes que querem emagrecer e forças inconscientes que fazem rejeitar qualquer tipo de limitação ou mudança
que envolve o processo.


É importante lembrar que o inconsciente registra todos os acontecimentos e, principalmente, os sentimentos despertados
desde a infância e que nem sempre lembramos conscientemente. Isso pode comprometer seriamente qualquer desejo consciente.

Algumas pessoas, por mais que tentem ou digam que estão
mudando seus hábitos, sabotam a si mesmas comendo escondido. Levam pacotes de bolachas e comem em seu quarto para que ninguém saiba. Ou atacam a geladeira depois que todos estão dormindo. Há até quem vá para um spa levando algum tipo de alimento escondido em sua mala.

Mentem para os profissionais que a acompanham, para os
familiares, mas na verdade mentem, acima de tudo para si
mesmas, sentindo muita vergonha por tais atitudes. Mas, não entendem porque não conseguem agir de maneira diferente. A mentira pode ser uma forma de acreditar que se tem o controle
sob algumas pessoas, que nunca saberão de seu segredo, já que
não conseguem ter controle sob suas próprias ações.

Há uma negação do comer para si próprio como defesa diante de dificuldades emocionais. E como se comesse para não confrontar, não pensar, não sentir. Porém, nem sempre é feita essa relação entre o comer compulsivo e as próprias emoções, mas que na verdade estão totalmente interligadas.

Muitas vezes pode-se também comer com raiva, vorazmente como se tivesse destruindo o alimento, tendo-se a sensação de hostilidade para com alguém que se respeita e teme ao mesmo tempo. A agressividade nessas pessoas em geral é muito reprimida, pois
como não consegue expressar sua raiva de outra maneira, o faz
ao alimentar-se. É como se ao triturar o alimento estivesse
triturando quem não a alimentou de maneira satisfatória quando criança.

Essa raiva ao comer quando adulto pode ocorrer em quem tem uma imagem de uma pessoa persecutória, punitiva, como supunha que fosse quem a alimentava na infância. Ou seja, pode representar como se sentia quando era alimentada por uma pessoa muito irada, pois a criança sente aquilo que o adulto “sem perceber” transmite.

Enquanto criança pode também ter havido recusas em comer ou comer excessivamente como uma forma de enfrentar e expressar
a raiva sentida nos horários da alimentação por presenciar brigas, receber broncas, exatamente durante as refeições. A criança não conseguindo se defender ou reagir, pois havia o medo de ser mais punida ainda, comia muito ou se recusava a comer.

Mas esse registro muitas vezes está apenas no inconsciente, o que pode ter alguma relação com pessoas que comem quando estão nervosas, iradas, apesar de que a maioria come em busca de
prazer, principalmente quando não sente, ou não se permite, sentir prazer em outras áreas da vida.

Quantas crianças ao deixarem algo cair na mesa começam a tremer de tanto medo de serem severamente castigadas? Isso também explica muitos adultos que sempre acabam sujando a toalha da mesa, deixando cair bebidas, comidas, com o intuito, inconsciente, de serem compreendidas.

A compulsão alimentar nem sempre é pelo alimento em si. É só observarmos uma criança. Quando ela busca o seio da mãe não
está envolvida apenas com a satisfação alimentar, mas busca acima de tudo uma significativa troca de experiências, que pode ser amorosa ou não.

Uns podem receber aceitação, outras rejeição, mas sempre a busca é pelo afeto, carinho e amor. Essa interação dos primeiros meses de vida é sentida intensamente pela região oral e é através dela que a criança começa a perceber o mundo que a cerca.

Estas vivências infantis e
primárias vão servir para
nosso psiquismo como modelo
de respostas futuras. Quem não recebeu essa troca de afeto e
carinho no momento da
alimentação, poderá continuar
essa busca quando adulto. Ou
seja, poderá compensar através
da comida o amor não recebido
por aqueles com quem convive.
“Uns podem receber aceitação, outras rejeição, mas sempre a busca é pelo afeto,
carinho e amor”


Há ainda quem quando criança teve a comida como gratificação, podendo fazer essa mesma relação quando adulto, ou seja, buscará a comida como fonte de gratificação. Quantas frases ouvimos quando crianças nos fazendo relacionar a comida a aspectos positivos? São frases que ficam registradas em nossa mente agindo como verdadeiras crenças quando adultos.

Por exemplo: “se comer tudo que está no prato te deixarei sair”, “fulano é um pão”, “fome de justiça”, “insaciável desejo de riqueza”. Ou ainda podendo a comida ser usada como controle: “se não comer tudo mamãe vai ficar triste”, “não come para ver a surra que vai levar”, “se não comer ficará doente”.

Cada um talvez lembre de muitas outras frases, as quais nos
fazem pensar como éramos manipulados, controlados e condicionados a acreditar que a comida tinha o poder de nos fazer feliz se comêssemos ou punidos se não o fizéssemos, e que pode
se estender até hoje.

A comida é procurada muitas vezes e, inconscientemente, como tranqüilizante, o que explica até certo ponto comer demais quando
se está ansiosa, preocupada, pois pode ter “aprendido” desde
criança que se deve comer para amenizar o sofrimento.

Por tudo isso é muito importante lembrar, ou buscar informações, como eram os momentos da refeição quando criança, e principalmente, como era alimentada quando bebê, pois
geralmente há uma relação entre os sentimentos que recebeu quando foi alimentada e a maneira com que se alimenta hoje.